quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O ESQUETE

Introdução
Uma das manifestações teatrais mais usadas pelos ministérios de artes das igrejas é o esquete. Inicialmente devemos salientar o seguinte: diz-se o esquete e não a esquete, como tantas vezes se fala e que não deve ser confundido com enquete (pesquisa de opinião). A palavra esquete vem do inglês sketch que inicialmente designava um esquema preliminar representando os principais traços de um objeto ou de uma cena. A palavra inglesa, por sua vez, veio do holandês schets que veio do italiano schizzo que literalmente significa 'salpico, mancha , esboço'. A palavra é derivada de schizzare 'salpicar, esguichar, jorrar líquido', de origem onomatopéica. O termo também é aplicado a rascunhos de pinturas e desenhos de um modo geral.
Cena do festival de esquetes de Timbó , Santa Catarina.
No teatro, o termo esquete é muito usado para se referir a pequenas peças ou cenas dramáticas, geralmente cômicas,  com cerca de dez minutos de duração. Alguns autores já os consideram como peças propriamente ditas quando dura mais de dez minutos. Muitas vezes os esquetes são marcados pela improvisação e pela dinâmica rápida; dependendo do propósito, outros têm um roteiro rígido a ser seguido, embora de curta duração. Inicial e majoritariamente o esquete está ligado ao gênero cômico e é popularizado em programas humorísticos televisivos. Porém, nada impede do esquete ser utilizado com outros gêneros ou para além do entretenimento: o esquete pode ser utilizado para comunicar idéias sociais, políticas e espirituais.)
Esquete "O Bêbado no Velório"
Esquete Bêbado no Velório um dos que compõe o espetáculo Noite do Riso
 apresentado no Projeto Vida Nova do Caju,  Rio de Janeiro (2009)

Origens
O esquete tem suas origens nos espetáculos do gênero vaudeville e music hall onde um grande número de atos teatrais breves, mas humorísticos, eram apresentados e reunidos para formar um programa maior. O vaudeville foi um gênero de entretenimento de variedades predominante nos Estados Unidos e Canadá do início dos anos de 1880 ao início dos anos 1930. Desenvolvendo-se a partir de muitas fontes, incluindo salas de concerto, apresentações de cantores populares, circos de "horror" (com exibição de pessoas com deformidades genéticas), museus baratos e literatura burlesca, o vaudeville tornou-se um dos mais populares tipos de empreendimento dos Estados Unidos. A cada noite, uma série de números era levado ao palco, sem nenhum relacionamento direto entre eles. Entre outros, músicos (tanto clássicos quanto populares), dançarinas e dançarinos, comediantes, animais treinados, mágicos, imitadores de ambos os sexos, acrobatas, peças em um único ato ou cenas de peças, atletas, palestras proferidas por celebridades, cantores de rua e até pequenos filmes.
O boneco Garland e artistas de um espetáculo vandeville (1932), EUA.
O Music hall é uma forma de entretenimento teatral de origem britânica, muito popular entre 1850 e 1960, e definido como uma mescla de música popular, comédia e participações especiais. O termo também está associado aos teatros onde ocorriam as apresentações bem como às peças musicais nestes espetáculos. O music hall britânico é similar ao teatro de revista do Brasil e de Portugal, ou ao vaudeville dos Estados Unidos.
Atores do MAVIN (Ministério de Artes Vida Nova) caracterizados para o esquete Everything (2010)
baseado na música homônima do grupo Lifehouse
O esquete quer tenha o gênero cômico ou de drama espiritual é uma poderosa ferramenta sob a unção do Espírito Santo no uso da comunicação do Evangelho através da arte.

REFERÊNCIAS

Vaudeville artigo da Wikipédia, a enciclopédia livre (http://pt.wikipedia.org/wiki/Vaudeville)

Music Hall artigo da Wikipédia, a enciclopédia livre (http://pt.wikipedia.org/wiki/Music_hall)

Sketch Comedy http://en.wikipedia.org/wiki/Sketch_comedy

Nenhum comentário:

Postar um comentário